Procurar algum assunto
Dúvidas sobre exames?
Esclareça suas dúvidas
Quer falar com o LACLE?
Sugestões, reclamações, elogios..
Newsletter
Cadastre seu e-mail e fique recebendo as novidades do site.
EXAMES
Selecione a letra do exame
A B C D E F G H I J K L M N O P
Q R S T U V W X Y Z
 
 
Imprimir   Envie por email
LÍQUIDO ASCÍTICO - Rotina

Código: LIQAS

Material: liquido ascitico

Volume: liquido ascitico

Coleta: Anotar cor, aspecto, pH, densidade. Coleta por médico assistente.

Temperatura: Sob refrigeração

Método: Citológico

Interpretação: Uso: diagnóstico das peritonites. O termo "ascite" denota acúmulo patológico de fluido na cavidade peritoneal. Homens hígidos apresentam pouco ou nenhum fluido intraperitoneal, mas mulheres podem normalmente conter até 20 mL, dependendo da fase do ciclo menstrual. As causas da ascite podem ser classificadas em duas categorias fisiopatológicas: a que está associada com peritônio normal e a que ocorre devido ao peritônio enfermo. A causa mais comum de ascite é a hipertensão portal secundária a doenças crônicas do fígado, que corresponde a mais de 80% dos pacientes com ascite. As causas mais comuns de ascite não hipertensiva incluem infecções (tubérculos), malignidade intra-abdominal, enfermidades inflamatórias do peritônio e lesões ductais (quilosa, pancreática, biliar). Avaliação laboratorial: - Contagem de células: o fluído ascítico normal contém menos de 500 leucócitos/uL e menos de 250 polimorfonucleares/uL. Uma condição inflamatória pode causar uma contagem elevada de leucócitos. Uma contagem maior que 250 polimorfonucleares é altamente suspeita de peritonite bacteriana, seja peritonite espontânea primária ou peritonite secundária. Uma contagem de leucócitos elevada com predomínio de linfócitos pode ser suspeita de tuberculose ou carcinomatose peritoneal. - Proteína total e albumina: o gradiente albumina sérica - ascite é o melhor teste isolado para classificação da ascite em causas hipertensivas portal e não hipertensivas portal. O gradiente é calculado subtraindo-se a albumina do fluído ascítico da albumina sérica. Um gradiente maior que 1,1 g/dL sugere fortemente hipertensão portal subjacente, enquanto gradientes menores que 1,1 g/dL implicam em causas não hipertensivas portais da ascite. A proteína total fornece pistas adicionais. Um gradiente de albumina sérica - ascite elevado e um nível elevado de proteínas (> 2,5 g/dL) são vistos na maior parte dos casos de congestão hepática secundária à doença cardíaca ou síndrome de Budd-Chiari. Dois terços dos pacientes com ascite por malignidade apresentam nível de proteína >2,5 g/dL. - Bacterioscopia pelo Gram e cultura: usados com a finalidade de detectar peritonites bacterianas. A sensibilidade da cultura aumenta muito quando o laboratório faz a cultura diretamente em frascos de hemocultura. - Dosagem de glicose, LDH e amilase: úteis na distinção entre peritonite bacteriana espontânea e peritonite bacteriana secundária. Os níveis de glicose estão reduzidos em pacientes com peritonite tuberculosa. A amilase elevada pode sugerir ascite pancreática.

Relação de exames
LACTATO DESIDROGENASE - LDH
LAMBDA - Cadeia leve
LEISHMANIA - Anticorpos IgG
LEISHMANIA - Pesquisa
LEPTOSPIROSE - Anticorpos IgG e IgM
LIPASE
LÍPIDES TOTAIS
LIPOPROTEÍNA - Lp(a)
LÍQUIDO AMNIÓTICO - Espectrofotometria
LÍQUIDO ASCÍTICO - Rotina
LÍQUIDO PERITONEAL - Rotina
LISTERIOSE - Sorologia
LÍTIO