Procurar algum assunto
Dúvidas sobre exames?
Esclareça suas dúvidas
Quer falar com o LACLE?
Sugestões, reclamações, elogios..
Newsletter
Cadastre seu e-mail e fique recebendo as novidades do site.
SAÚDE
Imprimir   Envie por email
TRH - Terapia de Reposição Hormonal

A verdade está no diálogo

A vida é feita de mudanças e a menopausa é um momento especial. É um tempo de crescimento, mas muitas vezes a sensação pode ser de perda.

A terapia de reposição hormonal (TRH) tem ajudado muitas mulheres a atravessar com serenidade este período, trazendo de volta a auto-estima que parecia distante.

Notícias divulgadas recentemente, trouxeram alguma polêmica sobre o assunto. Na verdade, novos horizontes estão se abrindo para a TRH.

Ela continua trazendo importantes benefícios para mulheres na menopausa. E a compreensão de sua segurança ficou ainda mais clara.

Viva bem com a menopausa

Você faz parte de uma nova geração de mulheres. Há um século atrás, as mulheres não viviam muito além dos cinquenta anos, enquanto que, atualmente, a expectativa de vida da mulher atinge os 80 anos.

À medida que você se aproxima dos cinquenta anos, o seu corpo inicia uma nova fase da vida: a menopausa.

A menopausa assinala o fim da capacidade reprodutiva da mulher. No passado, a maioria das mulheres também encarava a menopausa como sendo o final de sua atividade produtiva. Hoje, este ponto de vista está mudando.

A vida durante e após a menopausa pode ser tão completa, agradável e produtiva como era antes dessa fase.

Este texto procura ajudá-la a entender a menopausa e até mesmo como aproveitar melhor esta nova fase da sua vida.

Durante a menopausa o nível de alguns hormônios diminui bastante, o que pode provocar efeitos desagradáveis.

Uma informação adequada sobre a menopausa pode ajudá-la a reduzir esses efeitos e a descobrir por si mesma como, sob vários aspectos, uma nova vida está apenas começando.

O que é climatério e menopausa?

O climatério é um longo período da vida que tem o seu início por volta dos 40 anos, quando os ovários começam a diminuir sua função de produzir ovulações regulares e secretar hormônios. Quando se atinge a menopausa, extingue-se a função dos ovários e a produção de hormônios femininos praticamente chega a zero.

A menopausa é uma das várias alterações naturais que ocorrem na mulher durante sua vida.

A menopausa não é uma doença nem mesmo um estado psicológico.

Simplesmente a menopausa consiste em uma alteração natural, fisiológica, em que há uma diminuição nos níveis de hormônios femininos, estrogênios e progesterona.

Derivada das palavras "meno", que significa mês, e "pausis", que quer dizer pausa, a menopausa significa o fim de seus períodos menstruais, ou seja, a menstruação. A menopausa ocorre porque seus ovários deixam de produzir os hormônios que controlam a menstruação - estrogênio e progesterona.

O climatério pode durar de 4 a 5 anos e durante esse período você pode vir a ter menstruações irregulares, antes de terminarem completamente.

Na maioria das mulheres, entre os 45 e os 55 anos, os ciclos menstruais irão finalmente parar, o que significa que a menopausa ocorreu.

A primeira fase do climatério - chamada de pré-menopausa - pode iniciar-se entre os 40 e 45 anos, contudo é impossível determinar exatamente quando essa fase começará. Nem a idade da sua mãe nem a idade com a qual você teve sua primeira menstruação são indicativos seguros.

Eis alguns dos primeiros sinais que indicam que a menopausa está próxima.

A menstruação aparece com intervalos cada vez maiores, chegando mesmo a ficar ausente por vários meses antes de recomeçar. Pode ainda ocorrer com maior frequencia - cada 21 ou 25 dias, por exemplo. O seu fluxo menstrual pode alterar-se, tornando-se mais ou menos intenso.

O que provoca a menopausa?

A menopausa é o sinal da natureza de que a função reprodutora está terminando. Com isso, seu organismo produzirá menos estrogênio e progesterona, que são os dois principais hormônios que controlam o aparelho reprodutor feminino.

Para entender porque os níveis de estrogênio diminuem na menopausa, temos que voltar um pouco no tempo. Quando uma menina atinge a puberdade, por volta dos 12 a 14 anos, ela possui nos seus ovários todos os óvulos de que necessitará durante toda sua vida reprodutiva. Durante a fase reprodutora de uma mulher (da puberdade à menopausa), habitualmente em cada mês é liberado um óvulo para uma possível fecundação (gravidez).

Essa liberação do óvulo ocorre juntamente com a produção cíclica de hormônios pelos ovários. Nas duas primeiras semanas do ciclo, logo após a menstruação, os ovários produzem estrogênios e, quando os estrogênios atingem a máxima produção, ocorre a ovulação.

Durante as duas semanas seguintes, ocorre a produção de progesterona. Quando esta produação acaba, ocorre novamente a menstruação. Estes hormônios produzem não só modificações no corpo de uma adolescente, como também são responsáveis pela ocorrência mensal das menstruações. Com o passar do tempo, a mulher possui cada vez menos óvulos e seus ovários vão tendo cada vez menos atividade.

Normalmente em torno dos 45 aos 55 anos, a mulher deixa de ovular e seus ovários deixam de produzir hormônios. Isso significa que não só a gravidez deixa de ser possível, como também não terá mais menstruações e nem os hormônios que desempenhavam importante papel no seu organismo para a reprodução e para a sua saúde em geral.

Os primeiros sintomas da menopausa:

Apesar de você, talvez, estar ansiosa por nunca mais menstruar, o seu corpo poderá sentir falta do estrogênio que seus ovários costumavam produzir. A maneira como seu organismo revela a falta de estrogênio e através dos seguintes sintomas.

  • Ondas de calor (fogachos): são sentidas por 75% a 80% das mulheres que estão na menopausa.
  • Aproximadamente 25% das mulheres sofrem com os fogachos durante 5 anos ou mais.
  • Suores noturnos: ondas de calor que ocorrem à noite. Frequentemente leva à perda do sono e à sensação de cansaço durante o dia.
  • Insônia.
  • Menor desejo sexual.
  • Irritabilidade.
  • Ressecamento vaginal: 30% das mulheres sentem a vagina seca, bem como perda de elasticidade do tecido vaginal após a menopausa. Isto pode levar a um aumento do risco de infecções.
  • Dor durante o ato sexual.
  • Vontade frequente de urinar acompanhada de dor e ardor

Mesmo antes da menstruação cessar completamente, 80% das mulheres começam a apresentar os sintomas da falta de estrogênio.

Outros efeitos da falta de estrogênio

Osteoporose e sintomas:

Termo médico que significa "ossos porosos", a osteoporose é uma situação resultante da perda de massa óssea - os ossos passam a apresentar poros e enfraquecem.

Este processo é absolutamente sinlencioso e assintomático. No entanto, aumenta o risco de fraturas, que quando ocorrem, dificultam a vida do dia-a-dia e, podem, nos casos mais graves, levar a mulher a ficar imobilizada na cama.

Uma em cada 4 mulheres sofre uma fratura decorrente da osteoporose por volta dos 60 anos. Aos 75 anos, esse risco aumenta para uma em cada 2 mulheres. É importante lembrar que mais de 50% da quantidade total de perda óssea ocorrem nos primeiros 7 anos da menopausa.

Aumento do risco de doença cardíaca

Antes de chegar na menopausa, as mulheres têm muito menos problemas cardíacos ou de circulação sanguínea do que os homens. Quando os níveis de estrogênio começam a diminuir na fase da menopausa, o risco de doença cardíaca ou circulatória aumenta consideravelmente nas mulheres.

Alterações na pele

Após a menopausa, o nível de colágeno reduz em até 30% nos primeiros anos, promovendo, além das alterações ósseas conhecidas, também o enfraquecimento e envelhecimento da pele.

Esta se torna mais fina e frágil; a circulação se reduz, fazendo-a ficar mais fria, pália ou azulada, particularmente nas extremidades. Aumenta a transpiração nas palmas das mãos e plantas dos pés. A pele perde a elastticidade e grande quantidade de água, ficando quebradiça e enrugada.

Igualmente, a falta dos hormônios ovarianos leva à queda de cabelo, que se torna mais fino, quebradiço e seco, à semelhança do que se observa com as unhas.

O que você pode fazer para ajudar a si própria durante a menopausa?

Nutrição

Uma boa dieta é fundamental para uma boa saúde em todas as idades. Durante a menopausa, você pode necessitar de uma quantidade extra de vitaminas e sais minerais, especialmente o cálcio. A ingestão de alimentos ricos em cálcio é igualmente importante para a manutenção da massa óssea.

Fumo

O hábito de fumar é um fator que, por si só, aumenta a possibilidade de doenças cardíacas e pode também favorecer o aparecimento da osteoporose. Assim, se você é fumante, procure eliminar esse hábito.

Tranquilidade e repouso

Um sono tranquilo é sempre bom. Dê a si mesma tempo suficiente para dormir e evite beber café ou chá antes de deitar. Procure repousar, estar descontraída e livre do stress e tensões.

Exercício

Em conjunto com uma dieta adequada, o exercício é a melhor forma para manter o tônus muscular. Evite engordar durante e após a menopausa. A manutenção de seu peso e boa forma física irão ajudá-la a sentir-se mentalmente positiva.

Terapia de Reposição Hormonal

Muitas vezes, independentemente do que você come, do quanto dorme ou do tipo de exercício que faz, você pode ainda ser afetada pelos sintomas da menopausa originados pela falta de estrogênio. Para muitas mulheres, a terapia de reposição hormonal tem sido a resposta.

O que é Terapia de Reposição Hormonal?

Há mais de 40 anos, a terapia de reposição hormonal vem ajudando as mulheres que estão na menopausa a viver bem esta nova fase da vida. O princípio da terapia de reposição hormonal é simples. Consiste basicamente no uso de medicamentos apropriados, a fim de repor o estrogênio e a progesterona que seus ovários deixam de fabricar. A terapia de reposição hormonal foi desenvolvida para ajudar seu organismo, continuando a fornecer aquilo que ele necessita - estrogênio e progesterona - de forma semelhante à que você teve durante muitos anos.

Benefícios imediatos da terapia de reposição hormonal

Evite as ondas de calor e suores noturnos, permitindo uma atividade diária sem perturbações e, mais importante ainda, um sono tranquilo.

Proporciona uma relação sexual mais agradável, diminui o risco às infecções e minimiza o ressecamento vaginal, eliminando também a dor e a vontade frequente de urinar.

Benefícios a longo prazo da terapia de reposição hormonal

1 - A terapia de reposição hormonal alivia os sintomas da menopausa, tais como: ondas de calor, suores noturnos, irritabilidade, insônia. Os hormônios atuam sobre o sistema nervoso central, tendo um efeito estimulante. Administrados a médio e longo prazos, provocam sensação de bem-estar e melhoram a qualidade de vida da mulher nesta fase da vida.

2 - A TRH melhora o tecido de revestimento da vagina e o revestimento interno da bexiga, aumenta a vascularização da vagina e da uretra e fortalece a musculatura pélvica. Assim, pode contribuir para evitar as queixas de secura da vagina através de uma lubrificação melhor e oferecer bons resultados no tratamento da incontinência urinária.

3 - Evita a perda de massa óssea provocada pela osteoporose, quando tomada desde o início da menopausa e mantida por longo prazo. Lembre-se que a maior parte da perda óssea ocorre nos primeiros 7 anos após o início da menopausa, e a osteoporose pode ocorrer se a falta de estrogênio não for tratada.

4 - A TRH melhora o aspecto dos cabelos, das unhas e da pele, tornando-a mais espessa, mais túrgida, com rugas menos profundas e menos flácida. Outros cuidados com a pele ajudam os hormônios a manterem a pele fresca e com bom aspecto: evitar a exposição solar, usar filtro solar, manter a pele com certo grau de umidade aplicando cremes hidratantes, realizar eletrólise dos pêlos, suspender o fumo, tomar bastante líquido.

A terapia de Reposição Hormonal é segura?

Centenas de milhares de mulheres em todo o mundo fazem uso da terapia de reposição hormonal há muitas décadas, beneficiando-se de sua administração. Quando um progestogênio é administrado em conjunto com um estrogênio, não existe risco aumentado de câncer de endométrio (parte interna do útero). Alguns estudos sugeriram uma possível relação com o aparecimento de câncer de mama em mulheres utilizando hormônios por um longo período.

Não existe uma receita ideal de hormônios que se preste indistintamente a todas as pacientes no climatério. As pacientes são singulares, os hormônios são vários e as possibilidades de combiná-los em doses variáveis e em regimes terapêuticos diferentes são inúmeras. Essa diversidade de situações faz com que o médico, para conseguir maximizar os benefícios e diminuir os riscos, leve em consideração as características próprias de cada paciente. O princípio básico é o respeito à individualidade. Alicerçado neste critério, o médico pode escolher o regime de TRH mais adequado para a paciente que o procura e promover os ajustes que se façam necessários ao longo do período em que ela realiza o tratamento.

A TRH, feita desta forma, é bastante segura com os seus benefícios suplantando, com larga margem, os seus eventuais riscos.

Por que voltar a ter menstruação?

Muitas mulheres que utilizam terapia de reposição hormonal podem voltar a apresentar sangramentos semelhantes à menstruação. A explicação é simples: o uso de estrogênio e progestogênio faz no seu organismo o mesmo que fazia antes da menopausa. Dependendo do tratamento que seu médico receitar, você poderá apresentar pequenos sangramentos, que tenderão a desaparecer com o tempo, ou terá sangramento em intervalos regulares semelhantes à menstruação. Geralmente, os sangramentos em mulheres que usam terapia de reposição hormonal são pequenos e indolores. Se você tiver um sangramento inesperado ou diferente do usual, converse com seu médico.

Com esse tratamento há risco de engravidar?

Se você iniciar sua terapia de reposição hormonal após a menopausa, isto é, quando você já não precisava utilizar métodos anticoncepcionais, a terapia de reposição hormonal não vai lhe devolver a fertilidade. Se você, ao iniciar sua terapia de reposição hormonal, fazia uso de algum método anticoncepcional, lembre-se de que a terapia de reposição hormonal não é um anticoncepcional.

Assim, você deverá continuar utilizando algum método anticoncepcional não hormonal. Converse com seu médico sobre essa necessidade e sobre qual método seria o ideal no seu caso.

Durante quanto tempo tomar a Terapia de Reposição Hormonal?

Para conservar seu bem-estar e proteger seus ossos, a terapia de reposição hormonal deve ser seguida pelo período que seu médico julgar necessário.

Um conselho:

Depois de começar a tomar a terapia de reposição hormonal receitada por seu médico, a não ser que surjam efeitos indesejáveis, não interrompa o tratamento, mesmo que se sinta bem.

É importante

NÃO ABANDONE A TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SEM FALAR COM SEU MÉDICO.

Mais saúde logo abaixo: